Pular para o conteúdo principal

ORDEM ENTREVISTA POETA VIEIRA VIVO

ORDEM ENTREVISTA
POETA VIEIRA VIVO
ESCREVER É UM ATO DE AMOR E INTELIGÊNCIA

TIVE A OPORTUNIDADE DE CONHECER O CASAL CLAUDIA BRINO E VIEIRA VIVO EM UM EVENTO NO GUARUJÁ , DA ORDEM, QUE ELES GENTILMENTE PARTICIPARAM. FALTAM PALAVRAS PARA DESCREVER O ENCANTAMENTO QUE OS DOIS PROVOCAM. O NOSSO ENTREVISTADO É UM EXÍMIO ESCRITOR, QUE MESCLA A VERVE E A INTELIGÊNCIA NOS TEXTOS COM MUITA PERSONALIDADE E ORIGINALIDADE. LITERATURAS DE QUALIDADE A PARTE, AMBOS TAMBÉM FAZEM UM TRABALHO BELÍSSIMO NA AREA DE PALESTRAS E DIVULGAÇÃO DO LIVRO ARTESANAL. FRENTE A TANTAS PESSOAS DA POESIA, EIS UM POETA DE QUEM ME TORNEI FÃ E ADMIRADOR. PARABÉNS POETA E ESCRITOR VIEIRA VIVO, MEMBRO HONORÁRIO DA OPB.
ENTREVISTA CONCEDIDA AO POETA MAURICIO DE AZEVEDO
1- Quem é o poeta Vieira Vivo?

RESP - Ainda não consegui descobrir. Mas, passo o meu tempo como co-editor e encadernador da Ed. Costelas Felinas, pesquisador e editor da revista Cabeça Ativa e, também, tenho lançado alguns livros de poemas, crônicas e humor.
2- Como vê o atual momento do livro no Brasil?
RESP - Como escritor vejo um abismo enorme entre quem produz e quem edita. Tudo é voltado para a massificação segmentada. Então, compete a nós buscarmos alternativas, nesse imenso espaço vazio, para nos movimentarmos.
3- O Plano Nacional do Livro vem desde 2006 elaborando estratégias, acredita que podemos ter esperança no trabalho do Ministério da Educação?
RESP - Eu não tenho esperança, pois todas as estratégias são somente comerciais e corporativas. Sempre o Ministério terá que gastar milhões de reais para adquirir ou editar livros seculares e distribuí-los para que ninguém os leia.
4- Acredita que o livro voltará um dia a desfrutar o mesmo prestígio de décadas passadas?
RESP - O livro é, apenas, o invólucro atual da literatura. Ela já esteve enrolada em papiro, prensada em capas de madeira no tempo do pergaminho e, daqui pra frente, seguirá nos aparelhos eletrônicos. Não importa o meio, a literatura continuará o seu caminho.
5- O que falta à poesia e à literatura em geral para atrair o público?
RESP - Essa pergunta me fez lembrar um poema do Eduardo Alves da Costa, “Tentativa para salvar a poesia”, onde a coitadinha agoniza, passa pela UTI, depois fica toda encolhida, moribunda até que o poeta chega empurrando todo mundo, dá-lhe um tapa na bunda e grita: Levanta morena, que essa frescura te mata!
6- Você e Cláudia Brino fazem um trabalho maravilhoso na edição de livros, fale-nos sobre ele:.
RESP - É um trabalho ideológico, todo artesanal, no intuito de diminuir o abismo entre o escritor e seus leitores. Em pequenas tiragens temos lançado um livro novo a cada semana em algum lugar do Brasil. E, assim, vamos criando, documentando e divulgando um acervo literário alternativo, já com mais de 200 títulos, dentro de uma visão não mercantilista, mas documental e curricular, para que cada escritor independente possa expandir seu círculo de atuação.
7- Que conselho daria a um poeta ou escritor iniciante em relação à edição de um livro?
RESP - Se for através da literatura independente, editar pequenas quantidades de cada vez e com o auxílio das redes sociais promover vários “re-lançamentos” em eventos literários e reuniões artísticas, procurando marcar o nome, atuando sempre de forma diversificada e, também, criar o hábito de enviar seus livros para colunas literárias, revistas culturais, jornais alternativos... e ampliar continuamente seu círculo de amizades literárias.
8- Fale-nos sobre a sua poesia e literatura em geral:
RESP - Me espelhei nos poetas marginais da década de 70, mimeógrafo, hippies, artesanato, viagens, ideologia libertária... Essa é minha vivência e a espinha dorsal do meu trabalho. Mas, acima de tudo sou fruto do amor pela literatura. E assim procuro marcar minha trajetória.
9- Fale-nos tudo o que desejar sobre a poesia:
RESP - A poesia é o gênero literário que mais promove eventos, saraus, encontros e lançamentos de livros no Brasil. No entanto, ocorrem dois extremos: ou são enfadonhamente elitistas com discursos quilométricos ou são totalmente amadores e sempre com discursos intermináveis. A apresentação de poemas deve buscar um formato próprio, rápido, bem feito, bem ensaiado, com os autores passando de forma prática, compreensível e clara os seus trabalhos. Devemos lembrar, sempre, que na poesia falada o importante é o poema e não o poeta. E no mais, é ler muito e produzir sempre.
AGRADECEMOS AO POETA VIEIRA VIVO A ENTREVISTA. RECOMENDAMOS UMA VISITA A PÁGINA DO AUTOR PARA QUE CONHEÇAM A ED. COSTELAS FELINAS, ESPECIALIZADA EM LIVROS ARTESANAIS.

Comentários

Bravo Vieira Vivo, uma entrevista de um artista que conhece seus metier, que tem coragem e sabedoria no que fala e cria. Tenho enorme carinho pelo Vivo e pela Cláudia Brino, pelo esforço e determinação com que levam seus projetos, entre eles a Ed. Costelas Felinas, que com mais de 200 títulos demonstra que a literatura está viva, em combate, e disposta a continuar a encantar e cantar esta Terra.
ENVIADO POR E-MAIL

Leandro Martins de Jesus
10 de out (Há 2 dias)

para mim
E ai Vieira? VIVO a poesia!
!!!!! :)
Leandro
enviado por e-mail

9 de out (Há 3 dias)

para mim
Vieira: O que você disse,é mais do que correto,é necessário. Feldman

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.