Pular para o conteúdo principal

Trajes Poéicos - TELÉSTICO

Composição poética na qual certas letras utilizadas no fim do verso formam um nome ou uma palavra.
 
*******

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.



Lua branca



Amada lua branca,

raios que inundam

o lago azul celeste,

inspira  menestrel

com todo o frenesi

lembrança  amada.

Marly Barduco Palma - cepelista
********************************************

(In) Consciência



Ficam na lembrança  

longas cenas que dançam

Parece que o tempo para

Parecem onda do mar

Volta depois que bate

e deixa na areia um coral

Segue um momento sereno

Encontro de terra e céu



Bilá Bernardes



 ****************************** 



lembranças me amedrontam

não tenho tempo de ficar velha

no jardim respiro polén

limpo o antigo baú

sinto-me como viajante

com algum desejo inenarrável

que a brisa à noite acaricia



Benette Bacellar



 ****************************** 



Pisei confiante na gramA

Começa o jogo e já começo a driblar o M

Tabelinha rápida com o O

Na grande área um lindo chapéu no R

E faço um gol de letra em vocÊ



Emiliano Pedroza



******************************


Roseiral III
  
Rente às rosais alamedas faz-se exalar
Suave fragrância de um odor supremo
Que no tempo nos faz andar para trás
Mergulhando na infância docemente
Integrando o imediato ao que já foi
Na mesma essência ver-se fluir
Poeta e pássaro ante musa e fêmea

mágica, angélica, divina e floral

Vieira Vivo   - cepelista
********************************************

Teimosa lágrima      

Sofri muito ao perceber que tu irias partiR
Tentei reter a teimosa lagrima diante de tI
Mas meus olhos por instantes me traíraM
Desnudou-se minha pobre alma fragilizadA

Olímpio Coelho de Araújo  - cepelista
****************************************


Amor de Mãe



Aqueles que amaM

Sem medir quem mais amA

Sabem o que é amaR

Não é somente dizer eu te amo, eu te quero etC

Ama quem sente o amor aquI

Ama quem sente o amor agorA



É mais que os olhos podem veR

É um sentimento profundo, diferentE

É algo que eu descobrI

Quando tive meus filhoS



Igual a um vinho TanaT

Quem experimenta se surpriendE    

E embriagada por este amoR

Sei o que é amaR

É ver nos filhos o prazer que a vida me dÁ 



Verônica Vincenza

Teléstico: MARCIA REIS TERRA (meu nome de batismo)



******************************



MARCIA FONTANELLA



Olhos que carregam me chamam

Provocam em mim grande chaga

Vagas de teu imenso mar

Afundam até Titanic

Resiste não minha nau a ti

Em ti meu corpo naufraga



Não mais sou CDF

Perdi-me em teu caminho

Quando provei de teu pólen

Deixei de esperar Godot

Godot não é mais minha busca

Encontro-me agora no Éden

Felicidade não mais se mede

Não se corta é indivisível

Presença indescritível

teu brilho que deuses ofusca



Sidclei Nagasawa Costa



******************************



Juventude



Ainda não perdi a juventude

Mas vejo-a…retirar-se de mim

Neste espelho que não admiti

Que comutasse a imagem desejável

Dissipada nesse tempo que abandonei

E que vivi entre o sorriso e vontade alada.



Francisco Grácio Gonçalves



******************************

Mãe de todos e todos a amaM
Na tristeza, na dor, na alegriA.
No teu coração, imenso amoR
Estou sempre pensando em tI

Mãe de Jesus, mãe devotadA

Ludimar Gomes Molina  - cepelista
************************************************



Noites Claras



No fundo azul
Um arco nu
À luz flutua.



David Henrique Nunes de Lima (Vencedor do concurso Trajes Poéticos)



******************************



TECENDO SONHOS



Aqui, a nossa quimera é tecida

fio a fio, com o mesmo carinho que se cuida do ninho. A tecelagem

trama as cores do nosso futuro em cada urdume.

Os olhos dos nossos sonhos vão e vêm no vaivém do tear,

da lançadeira da nossa origem, fabricando o pano de fundo onde eu nasci.

Aqui o nosso peito pulsardor, pulsamor – toc, toc, toc, toc,

batendo (célere) no ritmo têxtil de quem esse chão tanto ama:

céu neon, terra fashion, cidade frisson; corazón, mi corazón!

Ah! Minha querida e tão sonhada e tão amada Americana!



Geraldo Trombin

 

******************************

 
Sorriso

Neste mundo cheio de mistérios
sobrevive à espera do retorno
de quem veio cá se aventurar
e cruzou o mundo pelo mar
na esperança de encontrar aqui
a vida de sonhos e riquezas

mas qual! Tudo foi grande ilusão.

Deise Domingues Giannini  - cepelista

**************************************************

Com amor ela nos cuidaM
              a zelar toda horA
 sem cansar nos embalaM
      se preciso, noite aforA...
                seu nome é mãE


Kedma O'liver - cepelista

**************************************************

Aurora

 O cheiro da infância
A memória não ignorou,
Os apelos daquele olhar,
E o carinho materno
Para sempre vão ficar
Cravados no meu DNA

Clara Sznifer - cepelista
*****************************************


Minha Poesia



minha P-

a-i-x-ã-o é o verso erradO,

inusitado, temperado: enfoquE!

aquele que contraria o portuguêS,

confunde o francês e dá, a quem deI,

melodia ao poemA.



Thais Lemes Pereira



 ******************************



DEVASTAÇÃO



No meio da mata,

índios choram,

vendo a queimada

que lhes tira a paz.

E, escapando do fogo,

a pequena parintitin

grita, desesperada,

por quem fica para trás.



(Edweine Loureiro – Saitama/ Japão)



******************************

 

LUCIA OLIVEIRA



Hoje, todo jornaL

Nos dá o lado crU

Do terrorismo FARC,

Que idealiza a sI

Mas tem vida absurdA



Quer faça o socialismO

A Colômbia ideaL,

Mas causa frenesI

Grassando como UV

O vício que entorpecE

Da juventude à leI,

Nutrindo de terroR

A vida colombianA



Natanael Gomes de Alencar 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.