Pular para o conteúdo principal

Trajes Poéticos - RIMA AMPLIFICADA

rimas em que a primeira palavra de um verso deriva-se da última palavra do verso anterior, amplificando-a.



*************

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.

O Ócio


O convite que ora faço

É para a vida celebrar
Celebrando a vida, afastamos a morte
Deixando a alegria se instalar.
Antes do amor, o corpo busca energia,
energizando-se com frutas e delícias.
Um vinho tinto para o gozo apimentar
E um branco se o cansaço chegar.

Clara Sznifer - cepelista

**************************************

RIMA AMPLIFICADA



Vem letra simples.

Unida a outra.

E mais outra.
Avoluma-se em um crescente.
Crescendo se agiganta.
Vem a frase.
Com crase.
Que classe.
Estilo.
Amplifica-se.
Amplificando o fonema.
Vem ela a rima.
Rimando entre versos.
Embeleza a folha.
Fantasias.
Devaneios.
Desejos.
Paixões.
E ela se achando.
Acha-se agora em prosa.
Nervosa.
Sorvida.
Provada.
Palavra.
Simplesmente.
Fonema.
Rima Amplificada.

Claudio Carmo  (Vencedor do concurso Trajes Poéticos)
***************************************


PERDÃO



Ei, eu te perdoo!

Perdão lhe entrego, sem questionar 
Se meu verso for vago para ser aceito,
aceite, assim mesmo, sem protestar.
Não há motivo para indiferenças vazias,
quando o amor grita, pestaneja...

Não chore,
choro de dor,
o pior é momentâneo,  
partiu e não vai voltar,
volte as lembranças boas para onde estavam.
O coração da sua doce criança irá te abrigar...

Thais Lemes Pereira

*******************************
 
Chocolate
   
A escura calda no pote se derrama
derramando a clara como a sobrepor-se
e a mistura do cacau extasia e me chama
ao momento, antes amargo, agora tão doce,
adoçando a vida e lhe dando sabor.
Saboreando então como se fosse
um chocolate que reage ao estupor,
delicio-me no tablete bicolor.

Deise Domingues Giannini - cepelista
***********************************************


PORCELANAS DE ORVALHO

Quando subimos o olhar prodigioso

E ao longe as aromatizámos,

Sentimos a tal correlação

Que se viria a revelar benévola
E que muitas vezes nos forneceu
O firmar da arte desirmanada.

Esse silêncio que nos intacta,
Dilacerou-nos o racionalizar,
Racionalizando-se no austero,
Abandonando-nos, dementes,
Perante tal excelência singular.

Esses desertos,
Essas areias secas,
Secando esses pós mortos
Que ressuscitam
E florescem
Na incomensurabilidade
De impugnações,
Não se alcançam
Alcançando dominar.

E…

São engenho
Que embute,
São faísca
Que atinge,
São sabor,
Que tolhe,
São perfeição,
Que permanece.

Francisco Grácio Gonçalves  


*************************************


Ah! Este banquete que me deleita!
Este licor que minha alma alimenta.
Alimentando minhas fraquezas.
Enfraquecendo minhas fortalezas.
Este pecado divinal a que me entrego
Entregando de bandeja o meu prazer

À minh’alma  que no prazer se deita!

Ludimar Gomes Molina - cepelista
***************************************************
Lembranças perdidas                      

Queria querer
Querer eu queria

Esqueci de querer
Esqueci que queria

Queria lembrar
Lembrei que esquecia

Esquecia o presente
Lembrei o passado

Esqueci um tempo
Esqueci onde ia

Lembrei que amei
Mas esqueci o dia

ValquiriaImperiano

*********************************


Deleite

Oh! Benesse dos sentidos!
Supremo paladar de iguarias
sorvendo líquidos e sólidos
solidificando o encanto
de degustar finos néctares
Oh! Regozijo do sentir!
Amplos sabores saboreando

claras e escuras delícias

Vieira Vivo - cepelista 
*******************************************

VITALIZANDO CONTRÁRIOS

Não quero a vida insincera,
sinceridade é o que quero,
querendo que cada fera
ferocidade supere,
superando seu inferno,
infernizado e interno,
internalizando o belo,
embelezando o diverso,
diversificado em verso
versificado e vital,
vitalizado em contrários,
contrariando irreais,
realizando o ser vário.

Natanael Gomes de Alencar
******************************

A Menina

existe a menina
habita-me com sede
sedenta de histórias

curiosa da vida encanta
encantada por magia
e tudo que espanta

teme o desconhecido
a dor assusta
assustada chora

eu apenas olho
olhando espero
vai passar

Benette Bacellar
******************************

Deixe
Quero saber seu nome
para escrevê-lo dentro do peito
somente para deixar no eterno,
eternizando assim o que considero perfeito:

Um coração emaranhado
emaranhando vai ficando cada vez mais
no carretel do desejo.

Pamela dos Santos Gomes
*****************************

Quero

quero o sabor
saboreando o beijo...
assim quero
querendo os lábios seus.

pois de tanto querer
fico imaginando
o que posso mais querer
desse afeto meu.

Jorge Nascimento
****************************

RATOEIRA

A vida corre, corre, corre.
Correndo você tenta acompanhar os seus passos,
mas logo em descompasso entra,
entrando assim em colapso.
Num lapso de tempo tudo se perde,
perdendo o tempo do seu ontem, do seu hoje e até do seu amanhã.

A vida rói, rói, rói,
roendo vai as unhas dos seus dias,
dos seus queijos, dos seus lampejos, dos seus beijos.
Beijando o ar você tenta, tenta e tenta,
mas seu sonho não se alimenta, não se sustenta.
Não dê bobeira! É uma ratoeira!

A vida é danada, engana, mente,
mentindo veementemente todos os seus acertos,
acertando inclemente bem no coração dos seus erros.
Errante, você segue, você vai, você se esvai!

A vida só corre, corre, escorre,
Não se sabe para aonde.
Quando mais se precisa, ninguém socorre.
Socorro! Socorro!
Coitada: a vida também morre!
E com ela, com você, eu também morro!

Geraldo Trombin

************************************************* 

 CINEMA

Apagam-se as luzes,
iluminando-se a tela
com histórias que seduzem.
Sedutor, o projetor:
projetando sonhos
a quem nunca os realizou.

Edweine Loureiro - Saitama / Japão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.