Pular para o conteúdo principal

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.


No final de linda tarde
O sol arde, fico triste.
Mesmo com tanta beleza
A rudeza em mim resiste.

Ah! Se nesse mar profundo
Meu mundo se transformasse
Nas suas ondas eu renasceria
Talvez a alegria voltasse!

Ludimar Gomes Molina - cepelista

*******************************************
Tarde chuvosa

Em uma tarde chuvosa
Quero gostosa prosa
Para enfim descansar
Assim, voltar no tempo

E olhando a chuva cair
Vou me iludir que sou rainha
Ver chuva fininha e o meu chá tomar
Ah, sonhar e deixar a história me levar.

Verônica Vincenza
 *******************************************

VAI E VOLTA

Súbito, vem este amor.
Sem favor me apura o dom.
Faz-me tonto seu carinho,
Desalinho ao torto tom.

Sinto aqui ele apertando
E estreitando o peito em teste,
Prestes a deixar vazio
Seu macio berço agreste.

Sua falta está por dentro.
Concentro, mas já se vai.
Com meus ais, sai ao relento.
Indo lento, avança e cai.

Mas volta, me faz contente,
E, ingente, me envolve e trava,
E, em lava, me esquenta e grava.

Natanael Gomes de Alencar  - (Vencedor do concurso Trajes Poéticos)

*******************************************

Ó Mar

Em quantas ondas vagueiam meu pensamento?
Num simples lamento, me entrego, ó mar!
Divago ao sabor da maresia
E com nostalgia contemplo sua paz!

A magia em tom azulado
Deixa encantado o pescador.
Olhos fixos na infinita imensidão
Não hesita em vê-lo soberano senhor

Clara Sznifer - cepelista 
************************************************
DESCOBRIDOR

Naveguei por oceanos
de desenganos e encantos.
Foi assim que perdi o medo
e cedo esqueci de prantos.

E, mesmo num frágil veleiro,
o marinheiro seguiu adiante.
Levando apenas na bagagem
a coragem do viajante.

Edweine Loureiro – Saitama/ Japão

*******************************************

DESERTOR

Ninguém, nada por perto,
tudo deserto à minha volta.
Restam apenas a revolta das areias
e as mãos cheias de vento.
Sopro, invento os meus dilemas;
faço poemas, eu não aguento.
Meu sentimento não é desertor!
É, sim, lavrador na lida diária irrigando,
sempre cuidando das minhas plantações de ausências.
Ah! Esse colhedor de essências da minha árida zona,
que não me abandona nem me deixa beijar a lona jamais,
que todos os meus ais entende perfeitamente!

Geraldo Trombin
*******************************************

 Meus Fantasmas

Há fantasmas na janela!
Mas era nela que eu via,
quando a abria, o amanhecer.
Agora, erei esquecer, chorar
e amar outras estações... 
Pois, assombrações vivem,
e existem, nesta janela,
que de tão bela você não vê.

 Thais Pereira

*******************************************

O Barco


O barco se lança no mar
e ele a navegar na saudade
na felicidade sem par
de ele chegar de verdade

Deise Domingues Giannini - cepelista
*******************************************

O que tem do outro lado?
Dormente comumente
Descobre-se calmamente
Diariamente, abertamente
Traumas de antigamente
Dramas de atualmente
Inicialmente são certezas
Depois dúvidas exclusivamente
Nada é exatamente
Tudo é semente
Dificilmente se explica
O caminho, facilmente
A vida, certamente
O amor, felizmente
Tudo é inteiramente
Nada é somente
Naturalmente se entende
Quando apaixonadamente
Novamente se sente
Mas dificilmente se explica
E então
Desesperadamente
Coração e mente
Coração mente ou
Mente a mente

Milton Anauate

*******************************************

No final de linda tarde
O sol arde, fico triste.
Mesmo com tanta beleza
A rudeza em mim resiste.

Ah! Se nesse mar profundo
Meu mundo se transformasse
Nas suas ondas eu renasceria
Talvez a alegria voltasse!

Ludimar Gomes Molina - cepelista
*****************************************

Amor e Paixão... 

Quero me embriagar no néctar da mais pura flor;
E na minha ressaca soluçar amor...
Quero titubear nos meus passos;
E me erguer na corrente dos laços do amor...

Quero acordar na ressaca da praia ao amanhecer;
E pagar carona nas assas de um passarinho para te ver...
Em um vôo lento, rasante e com liberdade;
De braços abertos para matar a saudade...

Como dois beija-flores, solvendo o néctar da paixão;
Brasa acesa, que queima com firmeza na lareira coração...
Incenso místico que espanta a solidão;

Entre duas taças o vinho tinto derramado...
Nem sangue e nem pecado, é o mais puro sentimento;
De dois corações descobrindo o Amor e a Paixão...


Flávia Fritas


*******************************************

Estranheza

Deixa esse momento escuro
Que eu procuro em mim.
Não quero esquecê-lo jamais
Pois aqui jaz o infinito.

É nele que vejo estrelas
Sem vê-las como convem
No sopro meu murmúrio
Grita o infortúnio desse vazio.

E então me desespero
E só quero aqui ficar
Mesmo com tanta estranheza
É a tristeza que eu quero.

Zenaide Alós Guimarães Abati

*******************************************

Litorânea I


Miro as vivas marés encasteladas
Danças variadas (jogo de imagens)
Vislumbro miragens alucinadas
aos céus elevadas: loucas paisagens

Vieira Vivo - cepelista
**********************************
Contemplando a imensidão do mar


Volto o meu olhar para o espetáculo das ardentias
O vento que sacode as ondas vindo beijar a areia
Tocando a praia serpenteia embalando o meu sonhar

Este mar imenso que deixa minha alma azul de alegrias
Mar de ardentias intensamente brilhantes iluminadas.
Este mar de sonhos que aflora a minha juventude perdida
Levando-me de volta a vida devolvendo-me a alegria de viver

Olímpio C. de Araújo - cepelista
**********************************************

Amor

Sente-se o cheiro pardacento
Neste cinzento mar de emoções.
O aroma que nos percorre os rostos
Deixa-nos dispostos nesse amor.

O amor que julgamos desaparecido
Mas que perdido nunca ficou.
Surge agora, com outras cores, para depois…
Ser dos dois. Apenas nosso. Novo. Aqui.

Francisco Grácio Gonçalves
*******************************************


Mar
  
Oh! Belo e turbulento mar!
Por que razão amar e admirar-te tanto?
Se em teus caminhos tu te agitas e foges,
por descaminhos sem saber para onde.
Oh! Mar misterioso, iracundo,
sei que és profundo, com ondas revoltas,
me banho em suas águas verde mar
E morro junto aos olhos verde mar de meu amado

Marly Barduco Palma - cepelista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.